Representantes da indústria defendem tributação mais justa para o segmento

Representantes da indústria defenderam em live nesta última quinta-feira (22) um tratamento tributário mais justo para o segmento. No evento “Indústria em Debate: o que fazer para o Brasil voltar a crescer”, eles ressaltaram que a reforma tributária – algumas propostas estão em discussão no Congresso Nacional – é a melhor oportunidade para desonerar o setor e torná-lo mais competitivo no mercado internacional. 

Robson Andrade, presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), disse que, ao longo dos anos, alguns segmentos conseguiram regalias e proteção fiscal devido a um lobby intenso. Agora, ele acredita que existe uma maior conscientização das mudanças que o país precisa passar, a começar pela reforma tributária. 
 
“Não temos hoje uma agenda corporativa da indústria. Temos uma agenda que é uma agenda para o Brasil. Muitas vezes enfrentamos as corporações internas, mas defendemos aquilo que pode ser melhor para o Brasil e para o povo brasileiro”, destacou. 

Líder do governo na Câmara dos Deputados, o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) concorda que deve haver uma equalização da tributação sobre os diversos segmentos da economia. “Isso já está sendo considerado, de que a tributação deles precisa ser mais justa e a indústria precisa ter uma redução para que ela possa ser competitiva”, aponta.

Segundo Barros, para que isso ocorra é necessário que os segmentos privilegiados estejam dispostos a contribuir um pouco mais, de forma que os setores mais onerados sejam mais competitivos e voltem a crescer. “Nunca se votou a reforma tributária, porque cada um espera ter vantagens. Ela vai, na verdade, sacrificar a todos um pouco para que o conjunto possa ter um desempenho melhor”. 

Representantes da indústria e líder do governo na Câmara debatem caminhos para retomada econômica do país 

CNI e especialistas voltam a defender reforma tributária ampla e geral e criticam “nova CPMF”

Desenvolvimento

Presidente da Federação das Indústrias do Paraná, Carlos Valter Martins acredita que a retomada do crescimento econômico do país passa pelo incentivo à atividade industrial e que a reforma tributária pode ser um fator de peso nesse processo. “Precisamos ter uma alavancagem da indústria de novo e isso passa pela redução do custo brasil e da injusta carga tributária que tem em cima do produto da indústria, que, no final. é injusto com o consumidor brasileiro também”, destaca.
 
Segundo o presidente da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), a reforma é uma grande oportunidade para que a indústria do País seja mais competitiva no mercado externo e preencha um “vácuo” de produção exposto pela pandemia. “Efetivamente, a indústria nesses últimos anos foi a que mais perdeu participação no PIB (Produto Interno Bruto). Isso demonstra que alguma coisa está errada, porque país desenvolvido, tem indústria desenvolvida”, concluiu.

Participação

Embora represente 20,9% do PIB nacional, o segmento industrial é responsável por 33% da arrecadação de tributos a nível federal (exceto receitas previdenciárias) e por 31,2% da arrecadação previdenciária patronal. Além disso, para cada R$ 1 produzido na indústria, são gerados R$ 2,40 na economia brasileira. Na agricultura, esse retorno é de R$ 1,66, e no Comércio e Serviços, de R$ 1,49.  

Agência Brasil

Leia também

Produtores rurais têm até 31 de dezembro para aderir ao Cadastro Ambiental Rural

Produtores rurais têm até 31 de dezembro para fazer a adesão ao Cadastro Rural Ambiental (CAR) para que possam garantir os benefícios do Programa...

Hemoes fechará mais cedo neste domingo (29)

A direção do Hemocentro do Espírito Santo (Hemoes), em Vitória, informa que devido às eleições municipais que acontecem neste domingo (29), o expediente será...

Últimas

Produtores rurais têm até 31 de dezembro para aderir ao Cadastro Ambiental Rural

Produtores rurais têm até 31 de dezembro para fazer a adesão ao Cadastro Rural Ambiental (CAR) para que possam garantir os benefícios do Programa...

Hemoes fechará mais cedo neste domingo (29)

A direção do Hemocentro do Espírito Santo (Hemoes), em Vitória, informa que devido às eleições municipais que acontecem neste domingo (29), o expediente será...

Força Federal fará segurança de três municípios durante a votação do segundo turno

As cidades de Manaus (AM), Fortaleza (CE) e Caucaia (CE) terão o reforço da Força Federal no segundo turno das eleições no próximo domingo...